A primeira queda da Beatriz

A primeira queda da Beatriz me afetou tanto, que só agora estou tendo coragem de escrever sobre aqui. O curioso é ter acontecido exatamente um dia após eu ter lido o post da Ana Luiza no Look Bebê, “Acidente doméstico: o que fazer em caso de queda“.

Estávamos no mercado fazendo compras, na hora de pagar, coloquei Bia sentada sobre o caixa e fiquei com uma mão segurando suas perninhas. Por um segundo, me distraí, sem tirar a mão dela, e ela se jogou do caixa. Sim, se jogou. Porque agora ela joga as coisas no chão e se atira para buscar. Vale lembrar que Beatriz estava com 6 meses.

caixa-do-hipermercado-extra

Altura da queda da Beatriz

Foi tão rápido, que eu nem pude acreditar. A sorte foi ela não ter batido a cabeça. O carrinho dela, aquele Super Flower da Calesita, estava encostado no caixa e ela bateu nele antes de cair no chão, o que amorteceu a queda. O susto foi tão grande, que ela perdeu o fôlego e aquilo me desesperou. Eu gritei e chorei junto, até ela voltar a respirar. Coisa de segundos.

Saí correndo pelo Extra Hipermercado e descobri que não há nenhum tipo de socorrista no estabelecimento. Fiquei chocada. Um mercado com toda aquela dimensão não tem brigadista, socorrista, nada! Fico imaginando se acontecer algum acidente ali, não terá ninguém preparado para prestar os primeiros socorros.

Quem me tranquilizou foi a moça do atendimento, me ajudando a avaliar se Bia estava bem. Ela me contou que o filho dela também teve uma queda bem novinho e analisou Beatriz de acordo com as orientações que ela recebera à época. A primeira queda do bebê marca a gente demais, né?!

O que fazer se o bebê cair

  • Verifique se há algum hematoma na cabeça, para ter certeza se a criança a bateu ou não;
  • Faça ruídos em direções diferentes para ver se a criança acompanha a direção;
  • Faça movimentos com algum objeto que chame a atenção da criança para ver se ela acompanha com os olhos.
  • Não deixe a criança dormir por pelo menos uma hora após a queda;
  • Se houver qualquer comportamento estranho, como vômito ou choro constante, procure o médico.

Por sorte Beatriz não sofreu nada grave, somente o susto mesmo. Depois falamos da queda ao pediatra dela e ele disse: “o ideal é que não caia. Mas esta não será a última vez. É só ficar atento se a criança apresentar algum tipo de comportamento anormal e que possa ser relacionado à queda”.

Ele disse mais, se a queda for à noite, não precisa manter a criança acordada se for a hora que ela costuma dormir. Apenas monitore o comportamento dela.

Depois disso ela já caiu outra vez, durante a mudança de casa.

2 comments

    • Jéssica Macêdo says:

      Está tudo bem, Welton. Depois da primeira queda a gente fica mais safo. No dia eu me desesperei, queria morrer. Agora já estou consciente de que esta não será a última, que assim como nós, nossos filhos terão tropeços e queda por toda a vida. rs

Responder