O exagero das festas infantis

Me senti contemplada com o post da Priscila, do Mamatraca, no Uol Mulher: “o exagero das festas infantis“. Em breve, organizarei o primeiro festejo de aniversário da vida da Beatriz, hoje com sete meses, por isso tenho lido muito a respeito de festa para pequenos de um ano, decoração, itens essenciais e tudo mais, o que tem me deixado até assustada. PARA QUÊ TUDO ISSO?

Parece mesmo que o importante não é a comemoração, o ano de vida completado por seu filho, mas mostrar aos outros qualquer coisa que soe “eu sou ótima mãe, olha a festa de arromba que fiz! Morra de inveja!”. O que não significa que a mãe por trás das grandes festas não seja uma boa mãe, longe disso. Só me parece mesmo que a essência da comemoração fica perdida em meio a tantos badulaques decorativos, recreativos e chamativos.

Curto participar da organização de festinhas, principalmente em casa

Curto participar da organização de festinhas, principalmente em casa

No meu caso, que vou organizar a festa do primeiro ano de vida da minha filha, me apego à minha primeira lembrança de festa de aniversário. Se meus pais organizaram outras antes disso, não me lembro, mas me recordo muito bem da festinha de 4 anos que eles me deram. Nada de muito luxo, balões, doces, salgadinhos, um bolo delicioso e a presença da família e dos coleguinhas da rua. Uma doce recordação, principalmente porque a sensação carregada por mim desde então foi o amor demonstrado por eles no brigadeiro de panela enrolado à mão, nas bexigas enchidas com a boca e no corre-corre da criançada permitido pela casa de vovó.

 

Festinhas de arromba

O tema me lembrou um programa de TV, o Festinhas de Arromba, do canal Discovery Home & Health, onde mães gastam milhares de dólares em festinhas de crianças. Muitas dessas crianças não têm a menor ideia do momento vivido. Então, eu me pergunto: “pra quê?”.

Sinto até pena daquelas mães, parecem ridículas figuras bancando papéis surreais para provar o quê? E para quem? Em um dos episódios, uma mãe gastou mais de $30mil dólares numa festa de aniversário para as filhas, cujo o tema era jacaré. Até jacaré vivo tinha na festa. GENTE! Me parece absurdo. Talvez sejam casos de internação, terapia…

Festa é sempre bom, mas acho que o bom senso anda em falta. Fiquei feliz por não ser a única louca que pensa assim.

Responder