Viajando com um bebê pela TAM

Viajar pela Tam com um bebê não foi fácil. Por questões burocráticas, técnicas, de compromisso, enfim. Talvez tenha sido azar nosso, coisas da vida, universo e tudo mais, mas apesar de toda a preparação, a companhia aérea não cumpriu com o combinado. Foi a primeira viagem de avião da Bia. A pequena, com sete meses, se comportou muito bem – para sorte da mamãe aqui que estava morrendo de medo dela abrir o berreiro a viagem inteira para eu pagar a língua por ter xingado pais e mães acompanhados de bebês chorando.

bebê no avião - foto: Jéssica Macêdo / Blog Me Sinto Grávida

Bia no avião

Viajamos de Brasília para Campo Grande/MS, pela Tam, no dia 23 de maio. A expectativa para esta viagem era muita, pois seria a primeira viagem de avião da Beatriz. Além disso, ela conheceria a terra do pai e os primos do lado paterno. Reveria os avós e mostraria toda a sua simpatia a mais quem quisesse ver.

Atendimento preferencial
Pessoas com crianças de colo têm direito de sentar nas poltronas da primeira fileira, porque são mais espaçosas e próximas ao banheiro e comissários. Pessoas com crianças de colo também têm direito de embarcar primeiro na aeronave.

Berço à bordo
A Tam disponibiliza berço na aeronave para bebês de até 11kg, basta efetuar a reserva com no mínimo 3 horas de antecedência. Ou não, né?! Porque no mesmo dia que comprei as passagens, liguei para a Tam solicitando informações sobre o berço e a reserva. Efetuei a reserva. O atendente confirmou e eu fiquei tranquila. “O berço foi reservado, senhora.” Na hora do check-in, fomos confirmar com a atendente em solo. “Não, senhora. Não foi dispobilizado berço para esta aeronave. Vocês tinham que ter ligado três dias antes da viagem para nos lembrar…”. Oi, né?! Uma vez efetuada a reserva, eu ainda tenho que ligar para lembrá-los? Como é um serviço gratuito para vôos domésticos, acredito não ser de interesse da companhia que ele seja eficiente.

Na volta, fizemos como recomenda o Blog da Tam, reservamos o berço com até 3 horas de antecedência. Mais uma vez, ao chegar à aeronave, fomos surpreendidos com a ausência do berço. De acordo com o chefe da cabine, “ao checar a presença do berço para instalação na aeronave, descobrimos que o berço foi retirado para ser utilizado por outro avião”. Simples. Nenhum pedido de desculpa. Ficamos frustrados pela falta de atenção da companhia.

O berço disponibilizado pela Tam comporta até 11kg e não é cobrado em vôos nacionais. A sua disponibilidade ocorre de acordo com a aeronave e soliticação por meio de reserva com até 3 horas de antecedência. Ele pode ser usado apenas durante a viagem de cruzeiro, ou seja, na decolagem e no pouso o berço deve permanecer fechado – como as mesinhas –  e a criança levada no colo.

bebê dormindo no colo da mãe no avião

Beatriz dormindo no colo da mãe no avião

Cadeirinha, bebê conforto e carrinho de passeio no avião
Você pode levar a cadeirinha ou o bebê conforto no avião, mas é necessário adquirir outro assento. Este assento é cobrado, na Tam, de acordo com tarifas reduzidas para crianças. No nosso caso, como efetuamos a reserva do berço, optamos despachar o bebê-conforto que seria utilizado apenas em solo.

Fomos com o carrinho guarda-chuva da Bia até a aeronave e de lá despacharam. Ir com o carrinho para embarcar não configurou na mensagem de que gostaríamos de ter o carrinho também no pouso. A aeromoça não se deu ao trabalho de pensar a respeito. Quando desembarcamos, na ida, tivemos que esperar o carrinho esteira. Ok!

Na volta, fizemos como o orientado, dessa vez com o carrinho da Tam. Solicitamos um e fomos com ele até a porta da aeronave. Informamos que gostaríamos de um carrinho da Tam ou o nosso já na saída da aeronave, no pouso. O chefe de comissários esqueceu ou sei lá o quê. Quando o perguntamos, ele disse que a Polícia Federal não permitia isso em Brasília. X, né?!

família

Beatriz com a família sul-matogrossense

Comida, papinha, alimentação do bebê no avião
Tanto na ida, como na volta, Beatriz fez suas refeições em solo, então não chequei uma sugestão que li em algum blog sobre solicitar comida especial à companhia aérea. Beatriz só mamou mesmo para não sentir os efeitos da pressão atmosférica no avião.

No geral, viajar de avião com Bia foi tranquilo, naquilo que “dependia” dela, claro. Numa próxima oportunidade, talvez eu tenha informações mais interessantes para trazer para vocês sobre viajar de avião com um bebê.