Aproveite o agora: seu bebê vai crescer

Esta semana, completaremos 40 semanas de gestação do Artur. É um misto de ansiedade e medo bom para refletir. Parece que já tem uma eternidade que estou grávida, daí começo a imaginar como será o meu menino. Imagino como será a chegada em casa, o primeiro passeio e sempre paro no mesmo lugar: nas lembranças de como foi com a chegada de Beatriz.

Nessas horas bate uma saudade daquela criaturinha pequenina, que não me causava dor nas costas ao carregá-la. Apesar de parecer que foi ontem, ao mesmo tempo tenho a impressão de que tudo aconteceu há muito. As pequenas descobertas que fizemos juntas, os laços de amor, a amamentação, o primeiro sorriso, todos aqueles gestos de carinho quando aconteceram pela primeira vez.

Ah! Minha menina, tive vontade de chorar.

Olhando sua desenvoltura no alto dos seus 17 meses (1 ano e 5 meses), como você se mostra independente, cheia de atitude e apego por quem ama, doeu meu coração fazer uma retrospectiva e concluir que tudo o que passamos é único. Tão único que não volta mais. Parece clichê, mas é fato: quando se tem um filho, tudo que se relaciona a ele passa muito depressa. Eles crescem muito rápido e cada instante evapora nos giros do relógio.

É como viver dez anos a mil e imaginar que tudo antes de ser mãe era como viver mil anos a dez. A gente tem que valorizar mesmo cada gesto, cada sorriso, cada progresso. Tudo passa tão velozmente, que talvez num piscar de olhos a vida transcorra completamente sem que tenhamos sentido.

E talvez ela não entenda todas as vezes que digo “a mamãe te ama”, mas eu entendo todas as vezes que ela me olha com aqueles olhinhos enternecidos tentando me dizer: “ei, sinto algo muito forte por você”. E nessa hora nada mais importa. Só peço a Deus sabedoria para aproveitar bem cada um desses momentos.

Beatriz aos dois meses - Foto: Josi Ribeiro

Beatriz aos dois meses – Foto: Josi Ribeiro

 

Responder