#resenha | O renascimento do parto – filme

Ontem assisti ao documentário “O renascimento do parto”, de Érica de Paula e Eduardo Chauvet. Para uma momblogger, grávida e que deseja ter o parto humanizado, demorei muito para assistir ao filme. Coisas da vida atribulada. Mas sempre tive a certeza de que ele seria tudo aquilo que ouvia falar. Fantástico!

Peguei a última sessão comercial em Brasília. O bom é que teve roda de debate com os responsáveis pelo filme e pude ter noção do quanto ainda estamos, quanto sociedade, desinformados sobre o parto. As dúvidas das pessoas eram básicas. A maioria dos presentes não tinha a menor noção do quão é mais benéfico respeitar o tempo de nascimento, a diferença entre parto vaginal sob violência obstétrica e o parto natural humanizado e a real necessidade de cesárea.

Meu maior anseio era ter o digníssimo comigo, para que ele também tivesse acesso a este antídoto contra a alienação do sistema. Parece meio rebelde-revolucionária-sem-causa falar assim, mas a verdade é que há sim um sistema mais capitalista e menos humanitário por trás da maioria dos nascimentos no Brasil. E olha, funcionou. Guto teve oportunidade de ver outras pessoas relatarem toda a violência que sofreram no nascimento de seus filhos e que nós sofremos também no nascimento da Beatriz, mas ainda não tínhamos noção disso.

Érica de Paula e Eduardo Chauvet durante a roda de debate

Érica de Paula e Eduardo Chauvet durante a roda de debate

Nessas horas, vendo outras pessoas reproduzirem as mesmas palavras que nosso médico anterior usava com o único fim de nos ludibriar, bate a revolta, o remorso e a angústia. Estamos tendo a oportunidade de fazer tudo diferente. O filme relatou outras famílias vivendo essa oportunidade de fazer diferente e é isso que importa daqui pra frente: mudar esse cenário de total escuridão e desinformação sobre o nascimento no Brasil.

O filme fala de medicina baseada em evidências, algo muito novo para o modelo médico brasileiro e que eu já havia percebido ser raro no Brasil quando tive oportunidade de trabalhar na comunicação do Ministério da Saúde. As corporações médicas brasileiras vivem de achismos, a população não sabe disso e crê veementemente naquilo que o médico diz: “se o médico está dizendo, quem sou eu para discutir?!”. Temos que mudar isso, pois há muito sim para se discutir. Temos que quebrar os mitos surgidos em consultórios de todo o país, empoderar a mulher com conhecimento e levar informação concreta à toda a sociedade.

Este documentário deve ser acessível a todos: homens, mulheres, grávidas ou não, camponeses, classe a – b – c – d – e, brancas, negras, índias, autoridades, profissionais de saúde. Enfim, toda pessoa deve assistir a este documentário, ter acesso à informação real e de qualidade sobre o nascimento. Afinal, é o que temos em comum independente de quem somos: todos nós nascemos. Espero que mais pessoas tenham a chance de assistir, discutir e levar o tema adiante.

Pelo direito de nascer no tempo certo, respeitando a mãe e o bebê, desejo que mais e mais pessoas se empoderem do conhecimento. Assistam ao menos o filme promocional, que já dá para ter uma ideia do quão complexo é o tema:

)
Ficha técnica

Gênero: Documentário
Direção: Eduardo Chauvet
Roteiro: Érica de Paula
Produção: Érica de Paula
Fotografia: Rafael Morbeck
Montador: Eduardo Chauvet
Trilha Sonora: Charles Torres, Marcello Dalla
Duração: 90 min.
Ano: 2013

Mais informações em: www.orenascimentodoparto.com.br

Responder