O óbvio do parto humanizado

Quando falamos em humanização do nascimento, temos em mente um raciocínio pronto. Traçado, nutrido e calibrado cuidadosamente no decorrer das nossas próprias vivências e experiências. Este raciocínio pode estar tão redondinho que para nós ele é lógico, beirando o óbvio. Se não tomarmos cuidado, mesmo sem querer, podemos exigir dos outros a mesma percepção sem que eles estejam prontos para isso.

Ando refletindo muito nisto pois, há pouco mais de um ano, eu ainda não tinha esta clareza de raciocínio que tenho hoje. Me comparando comigo mesma, será que àquela época eu entenderia tudo que digo hoje? Meio complexo. Talvez entendesse uma coisa ou outra, talvez me assustasse.

O que eu quero dizer é clichê, mas faz sentido: tem hora pra tudo. Só no momento oportuno é que todo esse pacote de informações sobre humanização no nascimento ou maternagem consciente será claro para cada um dos interlocutores.

Vejo isso entre amigos que antes condenavam o parto natural e hoje carregam a bandeira do ativismo pela humanização. Vejo isso em mim que, apesar de sempre ter sido adepta ao parto normal, não fazia ideia de como funcionava o sistema.

Por isso eu não saio à caça de amigas grávidas para lhes apresentar o maravilhoso mundo da humanização. Sempre que surge uma postagem no meu feed de notícias no Facebook do tipo “oi, tô grávida!” eu simplesmente parabenizo pelo bebê à bordo.

Mesmo sendo doula, mesmo tendo vivido pessoalmente a experiência de uma cesárea sem indicação real e um parto humanizado, não busco adeptos ou muito menos presto uma publicidade exclusiva a algum indivíduo sobre o tema só porque mencionou estar esperando um bebê. Quem me acompanha, já sabe o que penso sobre e terá total liberdade para me perguntar o que quiser.

Eu posto diariamente no meu perfil conteúdos relacionados aos tipos de parto. Se numa roda de amigos surge o assunto, também colocarei meu ponto de vista. Eu respiro humanização do parto hoje e as pessoas sabem disso.

É claro que fico muito feliz quando alguém diz que sou “a referência sobre o parto humanizado entre nossos amigos”. Também fico muito satisfeita em compartilhar minha experiência pessoal e ver que outras pessoas passam a refletir sobre ela para sua própria vida.

Por isso, eu sempre falo abertamente sobre parto humanizado. Pois sei que, mesmo sem pretensão, a semente será plantada e em algum momento ela poderá germinar. Como já aconteceu tantas vezes!

Um beijo pros amigos e amigas grávidas que já compartilharam comigo a sua mudança de ponto de vista. :* Um beijo prazamiga ativistas que sabem respeitar o momento de cada para se abrir pro mundo da humanização.

3 comments

  1. Simone Fonseca says:

    Concordo plenamente. Também não fico a caça de adeptos quem me conhece e quiser conversar sobre sabe que terei maior prazer em ajudar. Adorei o post,

Responder