Conheci meu bebê antes de saber que estava grávida

Li um texto há pouco que tocou meu coração. Trouxe lembranças lindas que por pouco não caíam no esquecimento de vez. Antes de descobrir a gravidez da Beatriz eu sonhei com um bebê menina, bem gordinho, dos cabelos castanho-escuro e olhos da mesma cor. No sonho, eu descobria que estava grávida dela pouco antes dela nascer. Ela nascia e as pessoas me perguntavam como eu a chamaria. Eu dizia “vai se chamar Ana alguma coisa”.

Uma semana depois, descobri que de fato estava grávida. Quando soube que era uma menina, ainda pensei em colocar seu nome de Ana Beatriz, mas como já disse antes, não sou muito fã de nome composto, então ficou Beatriz. Mas eu já a amava antes mesmo de saber que ela estava a caminho. No dia do sonho, acordei apaixonada, com a sensação de que havia segurado um bebê nos braços.

Com Artur eu também sonhei, mas foi um sonho menos preciso. Não sabia ao certo de quem seria aquele bebê, nem tampouco conseguia visualizar seu rostinho. Logo depois descobri estar grávida do meu menino. Já consciente da gestação, lembro de ter sonhado com o parto dele. Que com duas contrações ele nascia. Foi assim, no expulsivo: uma contração para a cabeça, outra para o corpo.

O texto que li falava justamente disso, da conexão da mãe com o filho que ainda está no plano espiritual. Se aqui nós ficamos na expectativa com a chegada de um bebê, lá do outro lado eles também se preparam para vir até nós. Já havia lido sobre isso nos meus estudos espíritas, da preparação para o reencarne, da escolha do espírito pelos pais, pelos planos de resgate, enfim.

De autoria do médico antroposófico Antônio Carlos de Souza Aranha, o artigo “Seu filho escolheu você. E isso muda tudo” lembra que antigamente essa conexão era mais evidente, tanto que artistas como Rafael e Leonardo da Vinci retrataram isso em suas obras. O aviso de um filho para sua mãe através de um sonho.

antes mesmo da concepção, a criança já existia como indivíduo no mundo espiritual. Não era visível fisicamente, mas já estava lá. De acordo com Rudolf Steiner, o criador da antroposofia, pode-se dizer que da mesma maneira que o pai e a mãe se preparam, aguardam e sonham com a chegada dessa criança, aquele espírito também se preparou ao escolher seus pais, os que tornarão possível sua vinda e estadia aqui na Terra.

Isso nos leva a refletir sobre o quão importante é estarmos emocionalmente equilibrados, buscarmos sempre este equilíbrio, afinal, pode ter um serzinho sempre próximo a nós esperando sua vez de embarcar nessa aventura chamada vida e o nosso comportamento pode afetá-lo diretamente. Amor e paz!

7 comments

  1. Glaucia says:

    Oi, achei seu blog e me encantei! Estou escrevendo sobre a maternidade também e me identifiquei com muito dos seus textos! Parabéns!!! Se puder, faça uma visita ao meu! Estou começando!!!!

  2. Tamyris says:

    Adorei o post!!! Fiquei emocionada!

    Estou começando meu trajeto aqui na blogosfera e, por enquanto, sou tentante!

    Já estou seguindo!

    Se puder, passa lá no meu cantinho depois =)

    Beijos!

  3. L says:

    Me fez chorar pensar que teve um serzinho que me escolheu pra ser sua mamãe e eu tentei tirar isso dos planos dele e dos meus. Por que caramba, eu também tive vários sonhos com o mesmo bb antes de descobrir com certeza…

Responder