Os benefícios da acupuntura para estimular o parto por Erika Nery

Quando estava grávida do Artur, fiz acupuntura para estimular o trabalho de parto, já que o médico que me acompanhava tinha como limite as 41 semanas de gestação. ~~ Não vou discutir essa questão de prazo gestacional agora, mas saibam que uma gestação bem assistida não tem prazo de validade.~~ Enfim! Pedi que a minha acupunturista falasse ao Me Sinto Grávida sobre os benefícios da técnica e como funciona essa estimulação (que depende também da maturidade da gestação para fazer efeito).  Leitor@ dê olá para minha querida e linda acupunturista Erika Nery, agora gravidíssima também. 

Os benefícios da acupuntura para estimular o parto
por Erika Nery

A Acupuntura é uma técnica terapêutica que tem origem na medicina tradicional chinesa, é definida como sendo a estimulação de pontos cutâneos específicos através de agulhas ao longo de canais energéticos, chamados meridianos.

A medicina oriental define a acupuntura como sendo a estimulação de pontos específicos localizados na superfície da pele, que tem a capacidade de alterar diferentes condições fisiológicas e bioquímicas do corpo, estimulando receptores sensoriais que, por sua vez, estimulam os nervos que enviam impulsos para o hipotálamo e para a hipófise, localizados na base do cérebro.

Diversas pesquisas já comprovaram que estes estímulos podem liberar endorfinas e neurotransmissores, causando bem estar e relaxamento para o paciente ou ainda de acordo com a medicina chinesa podem gerar equilíbrio energético.

A Acupuntura é usada, cada dia mais, como forma de tratamento ou como terapia complementar durante toda a gestação, não existe nenhuma contraindicação, trazendo muitos benefícios para a mãe e o bebê. Assim como auxilia durante toda a gestação, também é utilizada para a indução natural do parto e controle da dor durante este período.

Pesquisas sobre o assunto indicam que a acupuntura realmente provoca a intensificação das contrações uterinas, com a estimulação de pontos específicos e liberação de hormônios necessários para tal efeito. Em uma pequena Universidade da Carolina do Norte, um estudo foi realizado em mulheres com 39,5- 41 semanas de gravidez; 70% daquelas que receberam apenas três sessões de acupuntura entraram em trabalho de forma natural, em comparação com 50% das que não receberam tratamento.

Maciocia (2000) refere que existe eficácia da acupuntura na intensidade das contrações, mas que muitos bebês não nascem devido a desproporção céfalopélvica. Este autor ainda afirma que, a mulher no trabalho de parto pode apresentar problemas emocionais e físicos que afetam o desfecho final do mesmo, isto é, o parto é instintivo e emocional. Traumas, desejos e emoções afloram durante o trabalho de parto e métodos alternativos como a acupuntura (desbloqueando a energia do fígado e coração), moxabustão (tonificando a energia do rim) e o apoio emocional e físico são necessários na assistência á mulher no parto.

Kubista et al. (1975) mostrou que é possível induzir o parto através de pontos de acupuntura, após realizar uma pesquisa com sucesso, com gestantes em trabalho de parto. Após esse artigo outros autores fizeram estudos a respeito da indução do parto com o uso da acupuntura. Os pesquisadores Farben et al (1994) fizeram um estudo com mulheres com colo uterino favorável para indução do trabalho de parto e usaram estimulação elétrica nos pontos para indução obtendo resultados favoráveis sem o uso de ocitocina muito usada na clínica obstétrica da USP para este fim. O estudo de Yamamura (2001) mostrou que harmonizando o Qi do sangue, fortalecendo o aquecedor inferior; o feto fica calmo e o trabalho de parto se harmoniza; dispersa energias perversas e clareia a mente, desta forma os partos das gestantes da pesquisa fluíram normalmente.

A Acupuntura deve ser utilizada durante toda a gestação avaliando o estado de equilíbrio da gestante, vendo quais meridianos estão em deficiência e quais estão em excesso, que podem dificultar o trabalho de parto. Na visão de Auteroche (1987), de acordo com a medicina chinesa, existem diferentes fatores que podem interferir em um trabalho de parto harmônico como: a estagnação da energia do Qi do sangue gerando (vazio dos rins, estagnação do Qi do fígado e perturbação do baço). Auteroche (1987), afirma ainda que caso a gestante tenha um destes fatores que não tenham sido tratados terá uma tendência a ter trabalho de parto longo; com contrações irregulares espaçadas e fracas (vazio dos rins);

Pacientes com características de estagnação do Qi do fígado podem apresentar dores fortes e dor lombossacra; podendo apresentar contrações aproximadas, fortes, doloridas e irregulares, mas o trabalho de parto estagna, não evolui.

A vigilância da gravidez, a preparação ao parto, tem como meta primordial diagnosticar e tratar precocemente as causas de desarmonia, evitando assim uma perturbação no momento do trabalho de parto.

Existem diferentes técnicas para a estimulação do parto: Acupuntura sistêmica e aurículoacupuntura, eletroestimulação, bloqueio de ponto, moxaterapia. Após o tratamento poderá acontecer imediatamente ou horas depois, ou até alguns dias aumento da intensidade, da duração, da frequência das contrações, dilatações  mais fácil, descida da cabeça mais fácil.

A maioria das gestantes possui Estagnação do Qi e do Sangue, visto que o bebê exigiu muito deste Qi durante toda a gestação. E com isso podem ocorrer perturbações nas sensações: paciente amedrontada, e bloqueada pelo parto, primípara ansiosa demais e tensa demais.

É importante relatar que o trabalho de parto acontecerá na hora que o corpo estiver em equilíbrio, mãe e bebê estiverem prontos, a indução vai funcionar se o corpo já estiver pronto e o bebê maduro.

Responder